Buscar
  • Equipe Sindprofissional

Meio Ambiente e o Condomínio

Água, energia, lixo, arborização e vizinhança são os eixos principais de uma relação mais sustentável do condomínio com o meio ambiente. A sustentabilidade está conectada com o futuro e diz respeito à forma como o homem atua em todos esses flancos para preservar a vida no planeta por tempo indeterminado.

Não dá mais para ficar de fora. A preocupação com a preservação do meio ambiente também deve fazer parte da rotina dos condomínios. Edifícios novos já nascem com o conceito de green buildings, ou edifícios verdes. São entregues com medidores individuais de consumo de água e gás (ou ao menos previsão para instalação) e sensores de presença em todas as áreas comuns. Alguns contam até com espaço destinado para separação do lixo por categoria (orgânico, papel, vidro, alumínio e plástico), sistemas de captação e reuso de água de chuva e placas coletoras de energia solar para as áreas comuns.

Mas, no caso de edifícios antigos a adaptação à tendência da sustentabilidade nem sempre é simples. Muitas vezes, é preciso investir num autêntico “retrofit verde”, ou seja, atualizar as instalações com base no conceito da economia de recursos naturais.

Quem deve aplicar a gestão ambiental para condomínio?

A responsabilidade de introduzir a gestão ambiental para condomínio deve ser do síndico, mas também pode ser executada por condôminos preocupados com a questão.

Independentemente da participação coletiva no movimento, o importante é a conscientização, por parte do gestor, de todos os moradores sobre as boas práticas que contribuem para a responsabilidade, como:

Coleta seletiva de lixo;

Economia de água e energia;

Descarte correto do óleo de cozinha;

Utilização de lâmpadas led;


Como implementar as práticas no dia a dia?

A implementação da gestão ambiental para condomínio deve acontecer de forma gradual, seguindo ações de sensibilização, conscientização, planejamento e implementação.

Ou seja, antes mesmo de determinar as atividades que deverão ser realizadas, é necessário sensibilizar os condôminos. Isso pode ser feito por meio de diálogos e ferramentas de comunicação interna que mostrem as consequências da falta de gestão ambiental.

O síndico pode fazer com que os moradores entendam, por exemplo, que o acondicionamento inadequado do lixo pode aumentar o número de insetos e roedores no condomínio.

Depois de trazer essa realidade para os moradores pela sensibilização, é hora de conscientiza-los sobre a importância da gestão ambiental no meio condominial.

A conscientização pode ser feita por meio cartazes nas dependências do prédio, reuniões, debates e palestra sobre importância de contribuir com o meio ambiente, além de mostrarem como essas ações podem trazer economia de recursos para o condomínio.

Após essas etapas, é o momento de planejar como as ações serão realizadas de acordo com cada condomínio. Entre elas podem estar, por exemplo, a implantação da coleta seletiva, projetos e ações que garantam a reutilização da água, espaço verde no condomínio, entre outras.

Com um planejamento bem estruturado e moradores conscientes de seus deveres e responsabilidades, é hora de colocar as estratégias de gestão ambiental na prática.


Benefícios para os condôminos

Qual condômino não quer circular por seu prédio e se deparar com uma área verde bem cuidada? Ou com a limpeza e organização do local? E, ainda, contribuir para o meio ambiente?

São vários os benefícios que se têm com a implantação da gestão ambiental no condomínio.

Entre eles estão:

Redução de custos a partir do racionamento de água e energia;Ambiente conscientemente limpo com as coletas seletivas e lixeiras adequadas para cada tipo de resíduo nas dependências do prédio;Ausência de contaminação por determinadas doenças;Mais qualidade de vida para os moradores.


Como funcionam os geradores de energia

Imagine você chegar em casa depois de um dia exaustivo e faltar energia no seu condomínio. Uma situação complicada, não é mesmo?

Ainda mais quando no seu prédio existem moradores com dificuldade de locomoção, como idosos e crianças. Para evitar esse tipo de situação, os geradores de energia podem ser uma boa opção.

Sem contar que os equipamentos também pode reduzir custos no condomínio. Isso porque no horário de pico do fornecimento de energia elétrica, entre as 18h e 21h, os geradores podem assumir a função de fornecer energia.

O processo de adesão desse sistema é bem simples. Basta que o síndico do condomínio realize uma reunião com os moradores para alinhar as necessidades de todos e escolher a melhor opção.


Como implantar a coleta seletiva no condomínio

Para iniciar a gestão ambiental no seu condomínio, nada melhor do que saber como implantar a coleta seletiva, um dos pilares desse gerenciamento que visa a sustentabilidade.

Apesar de muitos condomínios já realizarem a prática, alguns ainda buscam informações para implementá-la.

Primeiro, é necessário traçar o perfil dos condôminos. Nesse sentido, algumas questões importantes são o tipo de lixo produzido e a quantidade do material gerado por cada apartamento.

Definidos esses padrões, devem ser estipulados quais materiais serão recolhidos separadamente e quais serão os lugares de armazenamento de cada grupo de resíduo.

Veja agora os passos para montar um planejamento de implantação de coleta seletiva no seu condomínio:

Definir quais materiais serão coletados;

Frequência do recolhimento dos materiais;

Local do armazenados dos recicláveis;

Estabelecer quem fará a coleta; ● Analisar para quem será vendido ou doado o material coletado.

É importante destacar também que a coleta seletiva tem um grande valor social. Além disso, otimiza a reciclagem, reduz a poluição e o risco de problemas de saúde pela contaminação do ar.  Essas e outras questões irão impactar diretamente no bem estar dos moradores e na preservação do meio ambiente.

9 visualizações
logo-sindprofissional.png